Tenho 51 anos, sou formada pela Universidade Estadual de Maringá em Normal Superior, pós-graduada em Gestão Pública, ministro palestras sobre Escola sem LGBTfobia e sou secretária estadual LGBT do PT.

Quero ser deputada estadual porque acredito que tenho projetos que trarão melhoria para as vidas de muitas pessoas, principalmente as pessoas LGBT.

Ter uma representante LGBT no legislativo é a garantia de que teremos uma voz na Assembleia que não se calará e que clamará por direitos e dignidade para as pessoas LGBT. Muitas lutas são importantes e sem representatividade essas lutas ficam relegadas ao segundo, terceiro, último plano. Isso é facilmente perceptível quando pesquisamos quais projetos de lei atendem esse segmento da sociedade. Precisamos de representatividade para garantirmos a construção das nossas pautas.

Sou a certeza do novo, não apenas porque nunca estive em cargos eletivos, mas sou a certeza do novo porque nunca, na história do Paraná, houve uma representante LGBT na Assembleia Legislativa do Paraná.

MINHAS PRINCIPAIS PROPOSTAS:

– propor a criação de Casas da Cidadania para abrigamento e apoio às pessoas LGBT expulsas de casa pela família.

– propor a criação de mais Centros de Pesquisa e Atendimento a Travestis e Transexuais (CPATT) em cidades polo do Paraná;

– propor um projeto de lei de incentivos fiscais para empresas que empregarem pessoas transexuais;

– propor um projeto de geração de renda para incentivar o empreendedorismo por pessoas LGBT;

– lutar pela erradicação da violência contra a mulher;

– propor a instalação de mais delegacias das mulheres funcionando 7 dias da semana, 24 horas por dia;

– incentivar a criação de secretarias municipais de mulheres, inclusive a secretaria estadual de mulheres;

– incentivar a inclusão do segmento LGBT nas secretarias municipais de direitos humanos e cidadania;

– trabalhar na defesa dos servidores públicos do Paraná, lutando por melhores salários e melhores condições de trabalho;

– viabilização junto a administração estadual a criação de um Conselho de Cidadania LGBT, para propor diretrizes de ação governamental voltadas para o enfrentamento à discriminação, promoção da saúde integral e defesa dos direitos da população LGBT;

– criar uma comissão interdisciplinar voltada à redução de danos nas famílias com dificuldades de relacionamento com membros LGBT.

– lutar pela educação pública, gratuita e de qualidade, defendendo nossas escolas e universidades.